Voltar

CANTINHO DA IMPRENSA

Colégio Maxi Cuiabá / Release


Oito alunos do Maxi são medalhistas da Olimpíadas Mato-grossense de Química

05/12/2017

Oito alunos do Colégio Maxi se destacaram na Olimpíadas Mato-grossense de Química e receberam as medalhas durante a cerimônia de premiação realizada no auditório da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), na sexta-feira (1).

Arthur Antunes está na 2ª série do Ensino Médio e esta é a segunda vez que conquista uma medalha na OMQ. Ano passado conquistou ouro, este ano ficou com a prata, mas a alegria é a mesma. Ele conta que não precisou sair da rotina de estudos, apenas revisou o conteúdo aplicado na sala de aula. Para ele, “a prova não foi tão difícil.

Outra medalhista foi Juliana Lie Emiyakwa. Ela está na 1ª série do Ensino Médio e foi a primeira vez que participou da competição. Ela conta que precisou ter uma rotina de estudo para conseguir uma boa posição na competição.

Pedro Lucas conquistou a medalha de ouro. Aluno da 3ª série do Ensino Médio ele reforçou de que as aulas já dão o embasamento necessário para as provas. Ele participou este ano também das Olimpíadas de Matemática e a de Física, as quais considerou mais difíceis do que a de Química, que tirou de letra.

Apesar de não ter fugido da rotina de estudos, Pedro conta que aproveita os plantões com os professores para reforçar os conteúdos e tirar as dúvidas. Isto facilitou também na hora das avaliações.

O professor de Química do Colégio Maxi, Sergio Sussumu, fez questão de afirmar que a escola não cria nenhuma rotina diferenciada para os alunos que se inscrevem nestas competições. “Isto iria mascarar os resultados”. Ele conta que no site das olimpíadas tem o conteúdo programático e normalmente é o que se aplica em sala de aula. Não há segredo.

Ele reforça ainda que a participação dos alunos ocorre de maneira espontânea. “A escola apenas convida”. Sussumu conta também que a participação na competição ajuda a preparar os adolescentes para as provas decisivas como os vestibulares e Enem. “Se entrar questões que não estudou ainda, dizemos para ficar tranquilo e isto faz com que eles passem a se habituar com estas situações de pressão, mas sem pressa. É um treinamento para o vestibular”, afirma.

Confira os medalhistas

MEDALHA DE OURO

Pedro Lucas

 

MEDALHA DE PRATA

Cauê Pereira

Arthur Antunes

 

MEDALHA DE BRONZERONZE (5)

Arnaldo Barbosa

Eduardo Martinez

Gabriel Thome

Juliana Lie

Pedro Kreutz

 

Fonte: Pau e Prosa Comunicação

Colégio Maxi realiza “aulão” preparatório para o Enem

03/11/2017

Os dias que antecedem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) geralmente são marcados por muita tensão e ansiedade. Parece que toda a pressão do mundo está nas costas do estudante, afinal é a hora de mostrar o resultado de anos de preparação. Mas é justamente nesse momento que é preciso desencanar um pouco e ter calma para que toda essa dedicação não seja em vão. O Colégio Maxi sabe bem disso e iniciou nesta sexta-feira (3 de novembro), um Aulão, com dicas e revisões, além de muita descontração.

Esse momento é fundamental para eles, explica Ana Helena Paroli, professora de Linguagens/Língua Portuguesa. “Primeiro porque você sai daquele ambiente da sala de aula, que durante o ano acaba ficando maçante. Segundo, que na quadra você tem a chance de colocar uma música, de brincar, porque eles estão numa tensão muito grande. Você cria um ambiente de conforto. É muito importante eles se sentirem seguros e confortáveis”, justificou.   

Ela lembra que o apoio da família é fundamental, mas se trata de um momento que eles têm o apoio da escola. “Esse tipo de intervenção pedagógica é extremamente valiosa, importante, e eles participam. Fizeram cartazes, se expressaram, falaram com os professores. Então, é isso o que faz a escola ser diferenciada”, salientou. Muitos alunos inclusive foram fantasiados, colaborando para criar o clima de descontração.

Iniciativa aprovada

Os alunos aprovaram a ação do Colégio Maxi. “É bom na véspera do Enem, porque a gente fica muito nervoso, ansioso com a prova. Então, vir para cá é bom para dar uma relaxada”, elogiou Anadiely Moreira. Ela contou que seu objetivo é entrar no curso de Medicina, mas foi uma decisão tomada depois de já ter iniciado outro curso superior. “Comecei a fazer faculdade, mas tive um episódio que me fez repensar um pouco. Conversei com um primo que estudou aqui e passou para Medicina e decidi mudar os rumos”, revelou.

“Eu acho importante porque o período de ano em que a gente estuda é muito longo. O que estudamos no primeiro bimestre, por exemplo, não recordamos com tanta facilidade. Então, essas aulas antes do Enem são essenciais para que a gente possa relembrar”, enalteceu Magda dos Santos Pereira. Segundo ela, não dá para ter 100% de segurança do resultado, mas diz que se sente pronta para o desafio. “Eu me sinto preparada, confiante, acho que fiz o que deveria ter feito”, acrescentou.

Outro aluno, Carlos Henrique Garcia Bernardes de Campos, disse já estar bem mais relaxado depois da atividade. “Estou achando muito bom, principalmente para a ansiedade, acalma um pouco os ânimos. Estou me sentindo muito melhor agora para ir fazer a prova”, garantiu. Como as duas colegas, ele também está em busca de uma vaga para Medicina, de preferência na UFMT. “É um curso que eu sempre pensei em fazer. Este ano fiz a orientação e deu Medicina também, então tenho certeza que é isso que eu quero”, frisou.

O “Aulão” para o Enem prossegue de terça a quinta (7 a 9/11), das 18h às 22h, e na sexta (10), das 7h30 às 12h, no Colégio Maxi.

Colégio oferece bolsas integrais para alunos da rede pública

01/11/2017

Seis bolsas integrais de estudos para os três anos do Ensino Médio são oferecidas pelo Colégio Maxi para alunos da rede pública. Além da isenção da mensalidade, os bolsistas terão garantido o material escolar e uniforme. As inscrições vão até domingo (5/11). A iniciativa faz parte do programa de bolsas “Somos Futuro 2018”, que busca alunos em todo o país que estejam cursando o 9º ano do Ensino Fundamental em escola pública ou sejam bolsistas integrais em outra escola e que estejam indo para a 1ª série do Ensino Médio em 2018.

O diretor administrativo e financeiro do Maxi, Lucas Faleiros, ressalta que a iniciativa surgiu porque o colégio está ciente das dificuldades educacionais e dos diversos contextos sociais do país. O objetivo do programa é oferecer a oportunidade de uma educação de excelência para estudantes de baixo nível socioeconômico e alto potencial acadêmico, ponderando suas realidades.

Faleiros destaca ainda que a iniciativa vai muito além da isenção da mensalidade. É uma ação de humanização, que visa dar oportunidade única para jovens talentos. “Queremos trazer estes talentos para nossa escola, mas é mais do que colocar ele numa sala de aula com professores qualificados, é proporcionar todo o acolhimento, monitoramento, e até disponibilizar um mentor para orientá-lo nos estudos e no aconselhamento para a vida”, explicou.

Para participar, os candidatos precisam se inscrever no link http://bit.ly/somosfuturo. O processo seletivo inclui uma prova online, prevista para o dia 12 de novembro, às 13h, além de avaliação presencial em uma das escolas parceiras, que ocorrerá entre os dias 27 de novembro e 15 dezembro. Também serão feitas entrevistas com os candidatos, a partir de 20 de novembro e é possível que ocorram entrevistas com os familiares.

Os candidatos aprovados nas três etapas iniciarão o ano acadêmico de 2018 com isenção de 100% das mensalidades e dos materiais didáticos em uma das escolas parceiras do programa, priorizando sempre a que for geograficamente mais próxima de sua residência.

Psicóloga defende fim dos tabus sobre sexualidade nas conversas entre pais e filhos

26/10/2017

Uma sala de aula lotada de pais cheios de dúvidas sobre a melhor forma de conversar sobre sexualidade com os filhos. Essa cena aconteceu na terça-feira (24) durante a palestra realizada pelo Colégio Maxi com a educadora, psicóloga e sexóloga Cida Lopes.

“A dificuldade que os pais têm hoje é fazer diferente do que eles aprenderam, só que não tivemos uma educação para que pudéssemos construir um conceito positivo sobre sexualidade. Hoje estamos perdidos na tentativa de acertar”, avalia Cida Lopes, autora de livros sobre sexualidade voltados para o público infantil, entre eles Sexo e Sexualidade e Soltando os Grilos  e que, em 2018, lançará o primeiro livro para adultos.

Segundo ela, o ponto de partida para que a atual geração de pais e responsáveis por crianças e adolescentes consiga conversar numa boa com os filhos é compreender o que é sexualidade. “Se a gente aprendeu que sexualidade é algo feio, proibido, que tem idade e hora para falar sobre o assunto, se tivermos essa visão negativa, toda pergunta da criança e do adolescente vai nos assustar. Se a gente reconstruir, ressignificar o conceito de sexualidade se dando conta de que é algo bonito, que tem o objetivo de aumentar o vínculo, dar prazer, trocar afeto, demonstrar sentimento, a gente tem a possibilidade de passar isso para a criança. Se a gente ver o lado bonito da sexualidade a gente perde o medo de falar sobre esse assunto”, pondera a autora.

No aguardo para o início da palestra, Eudirléia Ana Fernandes, mãe de crianças de 5 e 9 anos, contou que na infância dela os pais não conversavam sobre sexualidade. “Eu fui saber na sétima série quando estudei sobre o aparelho reprodutor. Eu não sabia!”, confessa. Mas agora, ela já tem o cuidado de se preparar para conversar naturalmente sobre o tema. “Eu já tenho essa preocupação e gosto de ver a escola alinhada com essa necessidade de falar sobre sexualidade de forma complementar”, afirmou Eudirléia, que é médica veterinária.

Como falar e qual a forma mais adequada para tratar do assunto com os filhos é a dúvida que deixa os pais mais preocupados. A constatação é da sexóloga Cida Lopes, que estuda o assunto há anos.

Tatiana Sato, mãe de meninas de 13 e 17 anos, relatou a sua dificuldade em conversar com as filhas sobre sexualidade. “É um assunto muito difícil de conversar com os filhos. Eu não tive a presença dos meus pais para falar sobre sexualidade e fui cobrada pela minha filha mais velha por não ter conversado com ela de forma mais franca. Então, eu não quero errar pela segunda vez e por isso estou aqui [na palestra]. Achei muito interessante a escola proporcionar essa palestra aos pais”.

Segundo Cida Lopes, a criança confia e acredita nos pais e têm neles a referência para responder a todas as suas curiosidades, mas o adulto adota um comportamento diferente quando o tema é sexualidade, muitas vezes chegando a fugir da conversa. E é aí que começam a ser criados, na cabeça das crianças, os tabus em torno do assunto. Cida Lopes explica que a medida que a criança aprende a falar, o assunto sexualidade já é pauta porque ela tem um mundo inteiro a ser descoberto. Do mesmo jeito que ela tem curiosidade sobre a vida, o sol, o vento, a lua, ela também tem curiosidade sobre a sexualidade.

“Quando um filho te faz uma pergunta, ao invés de considerar uma falta de respeito ou pergunta inadequada, é preciso compreender que é um privilégio ter sido eleito para responder. Quando falamos sobre sexualidade é muito mais querer criar um vínculo, se mostrar sempre disponível, do que saber qual a melhor resposta propriamente. E os pais ficam mais preocupados em como responder corretamente e se esquecem que o importante é o vínculo”.

SUGESTÃO DE PAUTA: Palestra sobre sexualidade será realizada com pais de alunos em escola de Cuiabá

24/10/2017

A educadora Cida Lopes estará em Cuiabá nesta terça-feira (24) para uma palestra com os pais de alunos do Colégio Maxi com a temática referente à sexualidade, educação sexual e relações humanas.

A palestrante também é psicóloga, terapeuta sexual, escritora e profere palestras em diversas cidades do país, sendo referência na abordagem da sexualidade na fase da adolescência.

O evento será às 18h30, no Colégio Maxi.

*SERVIÇO*

O que: Palestra sobre sexualidade

Quando: Nesta terça-feira (24), às 18h30

Onde: Colégio Maxi

CADASTRE-SE

Receba nossos melhores conteúdos, sugestões de pautas e convite para eventos diretamente no seu e-mail.

CONTATO