Voltar

CANTINHO DA IMPRENSA

ECSA / Release


Escola convida Papai Noel para atividade de incentivo à leitura

07/12/2017

A iniciativa de incentivo à leitura realizada pela Escola Chave do Saber (ECSA) contou com um personagem emblemático para o universo infantil: Papai Noel! Foi ele quem entregou os livros escolhidos pelas famílias para os alunos do maternal ao 1º ano.

“Muitas das nossas atividades realizadas na escola estão relacionadas ao incentivo à leitura, e dessa vez contamos com a figura do Papai Noel como forma, também, de manter viva a fantasia infantil que traz uma mensagem de amor, respeito e carinho”, explicou a coordenadora pedagógica da ECSA Camila Gonçalves.

Eufóricos, Luiz Guilherme, de 6 anos, e Breno, de 7, alunos da pré-escola, eram só curiosidade para descobrir quem seriam os personagens dos livros que ganharam. E a reação de alegria foi imediata ao descobrirem seus personagens favoritos. Ainda na pré-alfabetização, os dois folheavam os livros e imediatamente criavam histórias para compartilhar com os colegas.

A entrega dos livros foi acompanhada por algumas mães. Jaqueline Rosa da Silva, mãe de Teodoro, 5 anos, que está na educação infantil aprovou a iniciativa. “Foi uma ótima oportunidade para escolher livros, seguindo as orientações dadas na palestra sobre literatura infantil realizada pela escola em novembro, de acordo com a faixa etária dos meus filhos, com assuntos que vão despertar o interesse deles e desenvolver o imaginário”, afirmou a mãe.

A experiência relatada pela mãe vai ao encontro do objetivo da atividade, explica a diretora Marcia Bezerra. “Nossa intenção é valorizar os momentos que contribuem para a formação da criança, para a criação de vínculos emocionais, além de proporcionar experiências para pais e filhos de que o melhor presente não necessariamente é o mais caro”.

O dia também foi de entrega das doações arrecadadas entre as famílias dos alunos no projeto Sacola Solidária+. Alimentos, roupas, sapatos e brinquedos foram entregues para o projeto social desenvolvido pela Igreja Assembleia de Deus Nova Aliança, no bairro Doutor Fábio II.

O pastor Marco Antônio Antunes da Cruz, que também é professor de jiu-jitsu no projeto social, recebeu as doações e agradeceu a solidariedade das famílias dos alunos. “Em tempos de crise, é uma alegria sem fim receber essas doações e ver a emoção das pessoas que vão recebê-las de braços abertos”, afirmou o pastor

ECSA encerra ano letivo com premiação dos destaques em competições

27/11/52017

Todos os anos, a partir de maio, os alunos da Escola Chave do Saber (ECSA) iniciam uma série de competições, esportivas e de conhecimento, que culminam na última semana letiva com uma grande cerimônia de premiação. São provas como “Soletrando”, “Tabuando”, “Olimpíada de Matemática” e jogos interclasses de Futsal e Basquetebol, que promovem a interação entre os estudantes e a busca pela superação.

A diretora geral da ECSA, Marcia Bezerra, explica que as competições trabalham com as crianças questões como a preparação, o esforço e o interesse por destacar-se, bem como a integração e o espírito de equipe. Mas vencer não é o mais importante de tudo, frisa. “Nosso mundo é competitivo, mas eu vejo que a competição precisa ser saudável, com respeito. Nós trabalhamos muito também a tolerância. É importante que ele venha para ganhar, mas que ele aceite às vezes que tem alguém mais bem preparado e que isso não desanime e nem diminua a autoestima, mas mostre que é possível”, alerta.

Os vencedores, por seu lado, mostram que têm algumas fórmulas de sucesso. Janaína Faverão dos Santos, do 9º Ano A, repete o primeiro lugar desde o 6º ano no “Soletrando” e este ano não fez diferente, atribuindo, o seu bom desempenho, ao auxílio de outras pessoas. “É uma coisa muito importante para mim porque começou com minha mãe ajudando, ficando até tarde estudando, soletrando as palavras. É a dedicação e o incentivo das outras pessoas, meus amigos me incentivando a estudar, a ter calma, paciência”, analisa.

Luise Colombo Bombarda, do 5º A Matutino, primeiro lugar no ”Tabuando” e terceiro no Nível 1 da Olimpíada de Matemática da ECSA (OMECSA) reconhece: “não foi fácil ganhar”. Ela atribuiu o sucesso à ajuda do avô. “Ele que me ajuda muito estudando matemática”, revela a aluna que confessa gostar bastante de Matemática e não considera uma matéria tão difícil. “Se estudar não é!”, brincou.

Outro “craque” no assunto é André Mesquita Gimenes, do 6º Ano Vespertino, que ficou em primeiro no Nível 2 da OMECSA. Em seu caso, o resultado inesperado, confessa ele, foi resultado da preparação. “Foi difícil, não fazia a mínima ideia que conseguiria ganhar. Cheguei a ficar em quarto ou quinto lugar. Estudei um dia antes da prova e uma semana antes”, conta o aluno que também contou com a ajuda do reforço que faz toda terça e quinta com o professor Marcos Ferreira, na ECSA.

A mãe de André, claro, era só sorriso. “Estou super orgulhosa, o filhão é dedicado. Além de inteligente é dedicado. Não adianta inteligência sozinha, tem que ter o esforço. É importante ir além, aprender sempre mais, buscar. É importante e a gente incentiva”, disse Letícia Rodrigues Mesquita.

Alunos da ECSA levam “Amigo do Peito” para passar tarde na escola

27/11/2017

Quem é seu amigo do peito? Esta foi a pergunta feita pelas professoras dos alunos da Educação Infantil da Escola Chave do Saber (ECSA). Esta pergunta faz parte da atividade de encerramento dos alunos de 2 aos 5 anos. Escolher um amigo para dividir um pouco do dia a dia na escola. Lógico que as mães foram maioria, mas também tiveram as vovós, irmãos e irmãs.

O objetivo, segundo a professora Milene Arrial da turma do Pré, a atividade denominada de Amigo do Peito, é realizada para que os amigos ou familiares possam conhecer e participar do que as crianças fazem diariamente na escola.

A primeira atividade da turma foi na Biblioteca e o livro escolhido foi Drufs da Eva Furnari, que fala sobre as diferentes características das famílias. A história foi contada pela bibliotecária Cleide Portela. Em seguida, foi a vez de visitar a sala de música e entender um pouco de como são as atividades que envolvem os alunos, a ludicidade dentro da aprendizagem, o desenvolvimento motor e outras habilidades.

Por último, o grupo foi para Sala Experimental, no Ateliê, onde as crianças e seus amigos realizaram atividades de pintura e desenho. Olívia Cabral Prata, 5 anos, escolheu a irmã Sarah Cabral Prata, 8 anos, como sua amiga do peito. A explicação foi simples: “Eu amo ela de coração”.

As duas estudam na ECSA e Sarah contou que na época em que estava na educação infantil também levava Olívia como sua amiga do peito. Elas relatam que esta sintonia vai além da escola. Em casas, elas também brincam muito juntas de boneca, gostam de andar de bicicleta e vão ao parquinho.

Luciene Esteves é mãe de Camillo Esteves, 6 anos, e foi a escolhida como amiga do peito. Este é o primeiro ano dele na escola e mãe conta que adorou a iniciativa, pois assim ela conhece um pouco mais do dia a dia do filho na escola. Camillo definiu como “legal” a oportunidade de ter sua mãe no colégio e conta que, em casa, gosta de mostrar o que aprende no dia a dia, como as músicas e outras atividades.

Autor fala para pais sobre censura de histórias “politicamente incorretas”

Um dos autores infantis mais reconhecidos e traduzidos mundialmente, Illan Brenmer esteve por quase três horas com pais de alunos da Escola Chave do Saber para uma conversa sobre o tema “Quem tem medo de lobo mau?”, uma reflexão sobre o politicamente correto na literatura. O papo fluiu entre a atual censura às histórias consideradas “politicamente incorretas” e o que representa o momento de leitura na relação entre pais e filhos e no desenvolvimento emocional e criativo das crianças.

Brenmer é educador e psicólogo, nascido em Israel e naturalizado brasileiro, pais de duas meninas e filho de argentinos. Em tempos de euforia das crianças por aparelhos eletrônicos, ele sugere a leitura como um momento de fortalecimento do vínculo afetivo entre pais e filhos. “A maior dica para os pais equilibrarem o mundo digital com o mundo real é reservar um tempo da vida para ler boas histórias para os seus filhos”, afirmou.

“A história de papel tem a ver com vínculo, com estar junto. Se você quer que seu filho tenha lembranças bacanas, que ele tenha um momento especial no dia, leia para ele. O livro tem a ver com vínculo entre quem lê e quem ouve. Nos aparelhos eletrônicos, a luz vem da tela. No livro, a luz vem de dentro da cabeça da criança que imagina a história”. Ainda segundo , essas sensações criam lembranças profundas de carinho, de proximidade e de emoção.

Sobre a onda de censura as histórias tradicionais da literatura infantil, em especial as brasileiras, Illan fala sobre o perigo que essa limitação de temas causa no campo da imaginação e da criatividade das crianças. Colocar as crianças em contato com bons livros sobre temas diversos e pensados para elas é proporcionar a oportunidade de elas vivenciarem emoções no campo da imaginação contribuindo para que elas sejam capazes de extrapolar as situações que se apresentarem ao longo da vida, apurar seu senso crítico e continuar a mediar seus conflitos internos com a ajuda inestimável das histórias”.

“As crianças quando crescerem e lembrarem do passado, eles não vão lembrar do 15º par de tênis que os pais compraram, do 10º tablete que ganharam porque ele vai se tornar obsoleto em seis meses. Mas ela vai lembrar e vai ficar emocionada com as recordações do mundo das histórias. E é isso que fortalece as relações: a memória é a coisa mais importante da vida”, avalia o autor.

Pais de duas gêmeas de oito anos e um menino de 5, Antônia e Wilson Novais acompanharam atentos a palestras e compartilharam a vivência em casa de situações semelhantes à de um dos livros do autor, quando as filhas gêmeas disputavam a atenção do pai.

Para Wilson Novais, a fala do autor reforça o valor da leitura e a necessidade de criar laços mais firmes com os filhos e conviver de forma adequada, apresentando no momento certo da vida o que eles podem ter contato sem superproteger. “Estamos correndo sério risco de criar uma geração de adultos frustrados, inseguros e que não tiveram oportunidade no seio da família, por meio da boa literatura, entrar em contato com o controverso, com o feio, com o desagradável e às vezes com fatos reais que a vida vai impor a eles”, Wilson Novais.

Para a escolha dos livros, o autor sugere que os pais, sempre que couber no orçamento familiar, oportunizem às crianças as próprias escolhas, mas que os pais também adquiram obras de qualidade, com boas histórias. E se o orçamento permitir apenas uma opção, que o livro seja escolhido pelos pais.

 

Palestra “Quem tem medo do Lobo Mau?” será nesta quinta em Cuiabá

25/10/2017

O escritor Ilan Brenman irá abordar questões ligadas à censura e ao preconceito na produção da literatura infantil.

Nesta quinta-feira (26), o escritor Ilan Brenman estará em Cuiabá para a palestra “Quem tem medo do lobo mau?”, que irá abordar questões ligadas à censura e ao preconceito na produção da literatura infantil. A palestra é baseada na pesquisa desenvolvida por ele que se transformou no livro “A condenação de Emília: o politicamente correto na literatura infanto-juvenil brasileira”.

O escritor foi convidado pela Escola Chave do Saber para falar sobre a literatura infantil para os pais dos alunos e a importância das histórias na vida das crianças. Fruto de sua tese de doutorado na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), “A condenação de Emília” analisa a presença de termos e comportamentos “politicamente corretos” nos livros e cantigas infantis.

O autor defende que esta “proteção” na abordagem de certos assuntos com a criança pode prejudicar a formação. Para Ilan Brenman – premiado autor de literatura infantil, alguns livros escondem conflitos, não abordam temas como o sofrimento e a perda, limitando a experiência do leitor e inibindo suas possibilidades de descoberta e crescimento com a literatura. Este é assunto pertinente e necessário, segundo o autor e pesquisador.

Ilan Brenman é psicólogo formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e sempre teve um pé no consultório e outro na literatura, que falou mais alto. Desde então, ele se dedica a dar cursos e palestras Brasil afora sobre temas como formação de leitores e literatura infantil. Já publicou os livros “O livro da com-fusão”, “O senhor do Bom Nome e outros mitos judaicos” e “O pó do crescimento e outros contos”, entre outros.

A palestra será realizada às 18h30, no auditório da Todimo Home Center, localizada na Avenida Miguel Sutil, 6274, em Cuiabá.

Escola Chave do Saber realiza XXXI Gincana

 

06/10/2017

A Escola Chave do Saber (ECSA) abriu oficialmente nesta sexta-feira (6 de outubro) a XXXI Gincana. O evento, que conta com a participação de alunos de todos os anos, é uma tradição que vem desde os primórdios da instituição. Com o lema “Doe um pouco e ajude muitos”, seus objetivos aliam o incentivo à prática esportiva e às ações solidárias.

Dezenas de alunos, da educação infantil ao 9º ano, participaram da abertura oficial, realizada durante a manhã, na quadra de esportes. Divididos em quatro equipes, eles desfilaram e participaram da solenidade, que contou com a entrada das bandeiras (do Brasil, Mato Grosso e da ECSA), execução do Hino Nacional Brasileiro entrada da tocha e juramento do atleta. Houve ainda apresentações de dança (Street Dance e coreografia criada pelas alunas do 9º Ano).

Coordenada pela professora Ana Paula Gusman Amaral Souto, a Gincana da ECSA, além de seu aspecto pedagógico, recreativo e lúdico, possui também o lado solidário, social e sustentável. Uma das provas é filantrópica e prevê a arrecadação de gêneros alimentícios que beneficiarão entidades filantrópicas de Cuiabá, traduzida na hashtag #orgulhoemsersolidario.

De acordo com Ana Paula, o principal objetivo da gincana é despertar o sentimento e a ação de cooperação, solidariedade e união, possibilitando, dentro e fora da escola, a formação do caráter, espírito de cidadania e a cultura da paz entre alunos, pais, equipe ECSA e sociedade em geral.

A XXXI Gincana ECSA foi iniciada no dia 2 de outubro, quando começaram a ser arrecadados os donativos. Prossegue até o dia 11 de outubro, quando será feita a premiação das equipes. A quantidade de produtos alimentícios obtida também conta na pontuação. A equipe que obtiver maior quantidade/dia de donativos receberá um bônus de 250 pontos por dia.

Entre os dias 16 e 20 de outubro as turmas do 2º ao 5º ano irão fazer as entregas dos produtos arrecadados às instituições.

Fonte: Pau e Prosa Comunicação
Fotos: Lucas Ninno

Nutróloga fala sobre importância da boa alimentação aos alunos da ECSA

03/10/2017

A nutróloga Carolina Jacobs proferiu palestra aos alunos do 9º Ano da Escola Chave do Saber (ECSA) nesta terça-feira (3 de outubro), dentro do Programa Rumo Certo. A ação, que envolve também o Colégio Maxi, busca promover a autopercepção e o autocuidado para a promoção da saúde e qualidade de vida dos jovens. Neste caso, ela falou sobre alimentação saudável, um dos eixos principais do programa.

A especialista explicou que existe um tipo de alimentação ideal para cada fase da vida, especialmente para a de crescimento, como a dos alunos participantes. Segundo Carolina, é preciso que haja um equilíbrio e uma preocupação com os nutrientes necessários, tanto para o desenvolvimento físico, como mental. O ideal, disse ela, é basear a dieta em uma variedade que inclua frutas, legumes, proteínas e carboidratos.

Ressaltou a importância de não “pular” refeições principais como o café da manhã, muito importante para quem faz atividades no período matutino. Também ressaltou que não há necessidade de radicalismos, como abolir totalmente as chamadas “fast foods”, mas procurar comer alimentos naturais e mais saudáveis sempre em maior quantidade. Falou ainda sobre a importância de ingerir água regularmente e comer devagar e conscientemente.

A nutróloga salienta que o adolescente precisa do máximo possível de informações, claras e principalmente voltadas a uma alimentação saudável. Há uma pressão muito grande, envolvendo a publicidade, pelo consumo de produtos industrializados e “fast foods”, lembra. “A propaganda sempre mostra uma família muito feliz, um corpo saudável, um físico voltado para o ideal que é propagado, e com isso consegue ganhar clientes e adeptos”, alerta.

Carolina gostou da participação dos alunos, que fizeram muitas perguntas. “Fiquei bastante feliz, foram perguntas boas, coerentes. A participação deles foi ótima. Esse assunto sempre desperta interesse. A questão é que nessa idade muitos deles ficam com vergonha de perguntar”, lembra.

Os estudantes também elogiaram a oportunidade. “Achei a palestra interessante porque ela mostra o que temos que fazer para ter uma boa alimentação e nos mantermos saudáveis de uma forma que não seja repreensiva, sem ter que cortar, por exemplo, um fast food, que todo mundo no dia a dia acaba comendo”, analisou Lucas Barden Roewer.

Para Gustavo Henrique Kohn de Oliveira Lima o assunto hoje é bastante debatido, inclusive dentro da escola, mas nunca é demais retomá-lo, pois sempre há uma informação nova ou uma dúvida que precisa ser sanada. “Costuma ser diferente todas as vezes. É bom quando tem essa abertura no final para as perguntas. Porque às vezes você não tem uma dúvida no começo, quando é pequeno, porque ainda não estudou sobre o assunto”, disse.

Fonte: Pau e Prosa Comunicação
Fotos: André Rondon

 

Escolinha de Futsal da ECSA estreia na Copa da Juventude

A equipe de futsal da Escola Chave do Saber estreou ontem na Copa da Juventude e apesar do resultado negativo dentro de quadra, os alunos apresentaram ótimo desempenho. Uma das premissas mais importantes do esporte é aprender a competir e vencer obstáculos, por isso a equipe já levantou a cabeça e está animada para os próximos desafios. 

A derrota de 4 a 2 para a Escola Estadual Tancredo Neves foi um aprendizado. O professor relatou que partiu dos próprios alunos a iniciativa de “aprender com os erros e buscar melhorar para próxima partida”. 

A Escolinha de Futsal da ECSA funciona há mais de 15 anos, mas esta é a primeira vez que participa de torneios oficiais. O professor Túlio Fernandes conta que o objetivo é proporcionar a experiência de uma competição, além de motivar os alunos no mundo esportivo.

Túlio conta também que quando inscreveu a equipe para participar da Copa da Juventude não pensou em chegar à final. O grupo aguarda ainda poder participar de novas competições como o Unicuia, organizado pela Prefeitura de Cuiabá. Porém, ainda não há uma definição se o torneio ocorrerá este ano. 

Os alunos que participam da Copa da Juventude estão na faixa etária de 12 a 13 anos. Porém, a escolinha recebe alunos dos 8 anos em diante. 

A competição é uma realização da TV Centro América e Federação Mato-grossense de Futsal e é uma das competições mais importantes do futsal de base.

Fonte: Pau e Prosa Comunicação
Fotos: Lucas Ninno

CADASTRE-SE

Receba nossos melhores conteúdos, sugestões de pautas e convite para eventos diretamente no seu e-mail.

CONTATO